Browse By

Entrevista Arthur Ribas: Faturei 200 milhões com 23 anos

 

[Raiam]: Fala rapaziada, aqui é o Raiam Santos direto de Balneário Camboriú e hoje é a volta do podcast Mundo Raiam, o podcast que eu viajo o mundo entrevistando jovens brasileiros mais brabos, gente de 20, 30 e poucos anos que realizou e construiu coisas.

E hoje eu tô com um cara…Arthur Ribas!

[Arthur]: E aí, prazer Raiam

[Raiam]: Um cara que eu sou fã há muito tempo e eu to tentando trazer ele pra entrevistá-lo no meu podcast a uns 2-3 anos e ele sempre diz a mesma coisa…

“Pra que fazer entrevista?”

A gente diz que tem essas pessoas low profile. Esse maluco aqui é no profile.

Arthur Ribas, você tem quantos anos?

[Arthur]: Acabei de fazer 26 agora.

[Raiam]: Esse apartamento aqui, de frente pra praia de Balneário que deve valer uns 10 milhões, você comprou com quantos anos?

[Arthur]: Com 18 pra 19…

[Raiam]: Ohh, ele comprou com 18. A gente vai entender o que ele fez na vida, mas hoje o seu principal foco, o seu business principal é?

[Arthur]: Eu sou CEO da kiwify, que é uma plataforma de cursos online.

[Raiam]: Plataforma essa que eu coloco meus cursos lá tá. Eu saí da hotmart e coloquei Milionário com Youtube, Milionário com Curso Online e eu recomendo muito, tô tendo uma boa experiência!

Arthur, explica pra gente…você criou a Kiwify com quantos anos, 25?

[Arthur]: Isso, com 25. Eu comecei a empreender com 15 anos né.

[Raiam]: É mano, essa história é muito boa porque eu conheci muita gente da fraternidade que era seu cliente naquela época que você tinha 15 anos e nem sabiam.

[Arthur]: É, nem eu sabia deles também hahah

Empreendendo com Tibia

[Raiam]: Que que você fazia com 15 anos? Que que deu de querer empreender com 15 anos?

[Arthur]: Bem, então, com 15 anos eu tinha os maiores servidores de Tibia pirata do Brasil. Tibia é um jogo de computador, um monte de gente já jogou isso aí, principalmente pessoal que nasceu anos 90 e poucos.

[Raiam]: Mas o que que é um servidor pirata, como que era isso do Tibia?

[Arthur]: Basicamente era um jogo online, você cria uma conta e fica jogando o dia todo com seus amigos, subindo de nível, conquistando novos itens e matando uns monstrinhos. E o Tibia original é uma empresa alemã e tem aí os piratas que é tipo uma cópia versão mais abrasileirada que a gente pode fazer umas modificações no jogo.

E a gente tinha 16 servidores de Tibia. Começou com um, mais por diversão mesmo porque eu era viciado, a ponto dos meus pais me proibirem de jogar mas eu jogava escondido.

[Raiam]: Você era aquele nerd que ficava trancado dentro de casa e não passava na praia.

[Arthur]: Exatamente!

[Raiam]: Mas assim, você aprendeu a programar, como que você criou tanto servidor e vendeu assim?

[Arthur]: Eu aprendi meio que a programar na internet nos fóruns.

[Raiam]: Autodidata mesmo?

[Arthur]: É, sim, como eu tinha estudado inglês, que foi a maior diferença, eu ia nos fóruns gringos, comecei a falar com o pessoal e aprendi a como programar algumas coisas e fui abrindo servidor meio que por diversão só. Só que o pessoal começou a querer me pagar pra ter alguns benefícios dentro desse jogo.

[Raiam]: Tipo pay to win?

[Arthur]: Pra ficar mais forte, coisa assim. E aí começaram a me pagar 50 reais, mais 50 reais e aí vi que já era mais que o suficiente, porque no começo queria só pra manter o servidor no ar.

[Raiam]: Pra você mesmo jogar.

[Arthur]: É, era pra mim. E aí quando eu vi tava vindo mais dinheiro, aí eu conheci o Édel que era meu sócio na época. Ele era dono dessa empresa de servidores, ele viu que tava crescendo e ofereceu de investir no negócio pra gente crescer ele. Ele bancaria os servidores e a gente ia expandir pra conseguir ter mais jogadores.

[Raiam]: Ainda não tinha Amazon cloud (AWS)?

[Arthur]: Não, não existia. Quer dizer, talvez, mas eu não conhecia. Mas era servidor normal mesmo então a gente sofria muito problema de ataque e tal, pessoal tentava derrubar o servidor. Aí a gente foi meio que aprendendo a lidar com essas coisas e aí no fim de 1 ano nisso aí a gente tava ganhando nisso aí uns..naquela época de 2010/2011 que o real era bem mais forte, era uns 3 mil dólares.

[Raiam]: 2011 real tava 2 por 1..6 mil por mês. Mas 6 mil naquela época eram uns 20 mil hoje.

[Arthur]: Então era bom né hahah

[Raiam]: Com 15 anos hahahah. Mas assim, se eu entendi direito, você era o “Deus” desse mundo paralelo. Você como “Deus” dava poder pras pessoas vencerem.

[Arthur]: É, meu nome era “Deus” no jogo, era God, exatamente assim. Eu podia bloquear as pessoas se eu não gostava de alguém e tal. Mas assim, tinha muita gente fazendo esse jogo piratão também e o problema tava nisso aí porque como você é “Deus” e você têm pessoal de 15 anos jogando eles avacalham muito. Aí eu resolvi basicamente profissionalizar aí eu não aparecia muito e deixava a galera jogar e por isso que gostavam de jogar com a gente.

[Raiam]: E como que você atingiu essa escala?

[Arthur]: Era orgânico. Mas assim, teve uns hacks que a gente fez, mas basicamente tinha umas listas de servidores e a pessoa geralmente gostava de jogar na que estava no topo, que têm mais jogador, aí a gente burlou algumas coisas pra parecer que a gente tinha mais pessoas ali, e aí uma vez que já tinha uma massa crítica jogando, era só sair da frente e deixar eles se divertirem.

[Raiam]: Era então aquela coisa do funil. Você tinha um número legal de pessoas que chegavam e uma parte daquelas pessoas acabavam de pagando. Era paypal?

[Arthur]: Era o PagSeguro. Paypal também mas mais PagSeguro.

Meus primeiros 100 mil reais

[Raiam]: Seu primeiro milhão veio disso?

[Arthur]: Não, disso vieram os primeiros 100 mil mais ou menos.

[Raiam]: E aí você fazia o que com 100 mil reais com 15-16 anos?

[Arthur]: Não fiz nada, absolutamente nada. Aí depois disso, eu e o meu sócio nessa época, ficávamos olhando os negócios do exterior e abrimos uma rede de publicidade, uma ad network, porque isso era na época que…lembra o Mega Upload? Que o cara foi preso e tal..foi numa eṕoca que todo mundo assistia filme e ainda não tinha Netflix direito.

E eu tinha 16 anos, vi que todo mundo gostava e a gente fez um..era um protetor de link, que todo mundo odeia na internet que é quando você vai fazer o seu download e ele te faz esperar uns 10 segundos. Aí a gente criou esse sistema…quer dizer, a gente copiou de uma empresa que já fazia nos EUA e fez no Brasil. E aí também começou a dar super certo..

[Raiam]: Você vendia anúncio?

[Arthur]: Sim, vendia anúncio. Só que eu não sabia o que eu tava fazendo. Eu simplesmente contratei um freelancer, falei “copia esse tema” e aí em 3 meses tinha cerca de 16.000 sites usando esse ad network.

[Raiam]: Mas o comercial era você mesmo?

[Arthur]: Não, era tudo automático, não tinha comercial. Você fazia o cadastro e aí o sistema perguntava se a pessoa queria comprar anúncio e também remunerávamos o site que colocava, então fazia esse meio.

[Raiam]: Você foi dono de tipo um AdSense?

[Arthur]: É, e quando a gente não conseguia vender o espaço a gente colocava o próprio AdSense. E aí eles baniram a gente porque não gostavam que a gente monetizasse 2 vezes, porque assim, já éramos uma plataforma e ainda colocando AdSense em cima.

Mas neste tempo a gente já tinha pessoal comprando tráfego com a gente, e eu não entendia nada, totalmente ingênuo, e aí que eu entendi o que que era os afiliados, que estavam comprando da gente. Mas geralmente eram afiliados gringos anunciando no Brasil, estamos falando 2012, não existia essas plataformas, Hotmart tava só começando. Aí pessoal tava comprando tráfego lá e fomos investigando os links e eu vi que podíamos pegar essas ofertas e nós mesmos sermos o afiliado porque como eu tinha todo aquele tráfego que eram de centenas de milhões de pageviews.

Eu deixava aquilo tudo rolar, mas via que talvez tivesse algum produto ali que fosse interessante e aí nós começamos a virar afiliado e a ganhar dinheiro com isso aí.

E aí o próximo passo foi, eu percebi, que muitas das ofertas que a gente rodava no Brasil eram ofertas de estrangeiros que contratavam alguém mas que ficava mal feito tendo inclusive ofertas em português de Portugal. Tinha também oferta em espanhol!

E eu vi que mesmo assim ainda tava dando dinheiro, em dólar! Aí eu pensei “se eu começar a copiar o que eles estão fazendo, mas fazer certinho, com PagSeguro, parcelamento e tal vai melhorar”. E aí isso virou o foco da empresa pelos 6 anos seguintes.

[Raiam]: Você se considera hacker?

[Arthur]: É, sim.

[Raiam]: Mas você programa hoje, pouco?

[Arthur]: Assim, já programei mais.

[Raiam]: Mas você sabe ler um código e entender o que tá acontecendo, certo?

[Arthur]: É, sim, exatamente.

[Raiam]: Hoje o programador chefe da Kiwify é o Marinho, certo? E você é o executivo.

[Arthur]: É, eu sou o CEO então eu to bem por dentro de toda nossa tecnologia, de tudo que a gente tá fazendo.

[Raiam]: Uma vantagem competitiva sua competitiva de quando você era novo é que você sabia inglês..

[Arthur]: Sim

[Raiam]: E sabendo inglês você pode fazer um copia e cola, pegar a tendência lá fora e fazer aqui.

[Arthur]: E era muito fácil porque, e isso eu converso com bastante gente, hoje o mercado do Brasil mudou e quem tá vencendo mais é quem é criativo, tipo você, que manja mais de marketing e usa estrutura de um software, uma plataforma que já existe. Mas naquela época não existia nada nada, então se você queria vender online como você faria? Você tinha que contratar um programador e tal..

[Raiam]: E a plataforma ia dar uns problemas ali..

[Arthur]: Então essa foi a área que a gente sempre foi muito bom. A gente criava toda essa tecnologia, começamos a copiar coisa do ClickBank e aí fomos indo, e depois entramos em e-commerce físico também.

[Raiam]: Essa parte do e-commerce físico eu lembro uma vez…quando você me mandou mensagem pela primeira vez, eu como sempre ignorei. Você me chamou pra tomar café e eu perguntei “nós somos amigos de onde? Desculpa, mas eu só faço amizade com quem é da fraternidade”. E aí você falou que tinha vendido mais de 100 milhões e me disse pra perguntar pro Eduardo Borges e pro William Rufino, que eles sabiam quem você era.

E aí o Rufino falou “nossa mano, esse maluco é muito brabo” e depois ouvi também do gordo profissional “se têm alguém que eu quero ser sócio um dia é do Arthur”.

200 milhões com dropshipping

Arthur, explica um pouco que assim..hoje têm o drop, vários Sub 19 (membros da fraternidade de entrada da Kobe) fazem os seus primeiros 100 mil, primeiro milhão com drop, só que você descobriu isso 10 anos antes de todo mundo. Como que você entrou neste mercado? E é verdade que você vendeu mais de 100 milhões?

[Arthur]: É, bem mais, mais de 200 milhões talvez.

[Raiam]: Com quantos anos foi isso?

[Arthur]: Assim, foram várias ondas então um produto dá super certo, e outro..você vai durante vários anos né.

[Raiam]: Eu vejo que os caras que são grandes no dropshipping, eles não botam a cara né, eles são tipo você assim, que joga nos bastidores, não fica andando de porsche mostrando life style.

[Arthur]: Exatamente. Eu conheço alguns dos maiores do mundo e eles não têm perfil de rede social, nada assim, mas voltando pra sua pergunta, primeiro a gente começou com infoproduto que era mais fácil, era tipo copia e cola.

[Raiam]: Ah, então você vendeu curso online? Você criava o curso?

[Arthur]: Não não, eu nunca apareci. Eu sempre fui o estrategista por trás, ou a gente contratava alguém ou era um e-book que não precisa de muita coisa. Dava problema às vezes, de copiar coisa mas o pior foi tomar notificação extrajudicial por umas besteiras. Não chegou a ser processo porque assim, era mais difícil pra eles né, eles estão nos EUA e a gente no Brasil, mas aí a gente foi profissionalizando também e adaptando pra não ser uma cópia.

E aí até começamos a trabalhar com encapsulados também, mas nossa especialidade maior não era o produto, e sim o marketing. Então a gente via o que tava sendo anunciado no facebook e google, copiava a landing page e arrumava o produto. Éramos uma empresa de marketing e fazíamos a oferta que a gente via.