Ela tem 12 Anos e Leu Mais Livros que Você – SubCast #7

Ela tem 12 Anos e Leu Mais Livros que Você – SubCast #7

[Raiam] Fala rapaziada, aqui é o Raiam Santos direto de Moscou e hoje o subcast é especial porque hoje eu trago aquele pessoa que – sem clubismo – é a minha favorita no sub19 inteiro.

Nossa mascote, ela tem 11/12 anos, sei lá. E leu 232 livros, repito, 232 livros ano passado, e num grupo com pessoas de 18/19 anos ela tem 12 e ela é disparado a mais jovem e ela contribui muito pra gente ali, o nome dela é Kamila!

Tudo bem, Kamila?

[Kamila] Oi! Tudo bem.

Quem é a Kamila?

[Raiam] Kamila, conta pra gente aí, quem é você, qual a sua idade e de onde você é.

[Kamila] Meu nome é Kamila, eu tenho 12 anos, eu sou do Rio Grande do Sul, e no ano passado eu comecei com um desafio de ler 231 livros até o meu aniversário em outubro, e eu consegui passar a minha meta de ler 232 livros e mais 20 gibis.

[Raiam] Vem cá, esses 232 livros que você leu não foram em um ano não, foram de 10 meses, é isso?

[Kamila] Sim, 10 meses.

De onde saiu a ideia do Desafio?

[Raiam] Agora vamos lá, que loucura foi essa? O que deu na tua cabeça, Kamila?

[Kamila] Desde que eu tava no terceiro ano – com 9 ou 10 anos – meu pai costumava me mostrar reportagens dizendo que a educação do Brasil não tava boa e eu já tava me acostumando com isso, tanto que eu conseguia conversar sobre isso com meu pai e com a minha mãe, só que no final de 2018 meu pai começou a me mostrar mais reportagens assim, e em uma semana ele me mostrou uma reportagem sobre um menino que tinha lido 230 livros, e nos resolvemos fazer o Desafio, também pra passar a meta dele, mas também pra incentivar a leitura no Brasil e tentar mudar a educação do país.

[Raiam] Nossa! Que causa nobre, cara. Manda um salve pro seu pai aí porque pô, eh muito respeito, muito respeito ao senhor seu pai. Como é o nome dele?

[Kamila] Augusto César Rabello.

[Raiam] Augusto César Rabello, Wagner é o seu sobrenome? Da sua mãe.

[Kamila] Sim.

[Raiam] Entendi.

Como você conheceu o Raiam?

Kamila, como que você conheceu esse negão que vos fala?

[Kamila] Quando eu tinha 10 anos eu tinha um tablet – que depois veio a ser quebrado -, mas eu tinha um tablet, onde meu pai tinha instalado o Kindle, e ele separou alguns livros que eu podia ler e em uma noite ele falou que queria que eu lesse aquele livro (que era o teu livro, Hackeando Tudo).

[Raiam] Hackeando Tudo, quando você tinha 9 anos?!

[Kamila] Sim. Daí eu me sentei do lado dele na cama e li seu livro todo em três horas.

[Raiam] Pô, vou ficar até emocionado aqui, você leu me livro quando você tinha 9 anos, cara. Cara…que…que especial foi isso.

Vem cá…você não se sente…uma crítica que o pessoal fala de você de vez em quando, e todo mundo que aparece e faz coisas fora do normal, elas sempre recebem um pouco de hate, e o hate que eu escutei por aí é “pô, essa menina não brinca, ela não tem infância, não? Ela não brinca de boneca?”.

[Kamila] Sim…é…eu brinco, mas às vezes como é um momento mais de família a gente prefere não colocar tanto no Instagram e nas redes sociais, a gente prefere viver entre a gente…eu, meus irmãos, meu pai e minha mãe…

[Raiam] Entendi.

[Kamila] Mas eu brinco sim, brinco com meu irmão e com minha irmã, mais ainda agora que eles estão em casa, meu irmão pede pra eu brincar com ele toda hora, eles são pequenininhos, mas eu brinco sim.

[Raiam] E vem cá, você comparado ao pessoal da sua idade, você tá o que…no 7º?

[Kamila] 7º.

[Raiam] Você sente que…por que assim, você é uma menina muito madura pra sua idade, e você tá num grupo de empresários já, você faz parte, você vai nos nossos eventos, no de Porto Alegre você foi a estrela.

Como fica sua cabeça estando no 7º ano da escola?

Queria saber como é que fica a sua cabeça, tão madura, tão adulta, no seu meio de 7º ano?

[Kamila] Às vezes eu consigo até ensinar algumas coisas pros meus colegas, mas eu costumo não misturar muito as coisas. Então dentro de casa, com o pessoal do sub19, com o pessoal do grupo eu costumo ser bem diferente do que eu sou na escola…

[Raiam] Camaleoa, camaleoa.

[Kamila] Hahaha, muitas vezes o que eu faço e falo na escola eu não faço no sub19, também por não ser tipo…às vezes eu faço muita criancice na escola, então eu acho que não pega muito legal com o pessoal mais velho.

[Raiam] Eu não consigo imaginar você fazendo criancice no topo da sua experiência de livros, sua maturidade, o quão intelectual você é…

[Kamila] E na escola eu nunca fui de ter MUITOS amigos, eu sempre fui um pouquinho mais reservada, então eu não costumo conversar com todo mundo, da minha sala eu conversa com umas 3 ou 4 pessoas só.

[Raiam] E como é que foi ano passado, que você tinha 11 anos ainda, você ter saído em tanto meio de comunicação, em tanto jornal. Como é que foi pra você?

Foi uma realização?

[Kamila] Nossa! Foi incrível, eu sempre quis isso, e foi bem no dia do meu aniversário, então tinha bastante gente aqui em casa no dia em que saiu a primeira matéria, e daí eu falei e todo mundo ficou comemorando, todo mundo feliz…

Às vezes eu costumo falar que tem que criar alguma nova palavra pra eu conseguir expressar o que eu sinto porque “obrigada” e “felicidade” não é o bastante.

[Raiam] Bom, fazer o que você fez…

Você leu 232 livros e você documentou, eu lembro que você postava o vídeo com um livro aqui de frente pra câmera, e da pra ver a sua evolução em termos de desenrolo, no início você era toda presa assim, aí depois você deslanchou falando.

[Kamila] As professoras também falaram isso na escola porque no início do ano a professora de português falou que a gente teria que ler um livro e depois fazer uma roda pra contar a história e eu já fiquei muito nervosa com a ideia – e era bem no início do ano, tava começando o desafio -.

Mas quando ela fez essa primeira roda pra contar a história do livro, já tinha uns dois meses do Desafio, então eu já tava mais acostumada a falar e outras pessoas ficarem me ouvindo e eu tirei dez na apresentação e eu vi o quanto só falar pra câmera melhora.

[Raiam] Nossa, que legal Kamilinha, você realmente é muito top, cara.

Eu queria saber, você tá há uns seis meses no nosso grupo, como é que o grupo te ajudou, ajudou a tua família e quem são as pessoas ali dentro que você mais gosta, que mais te ajudaram, que você mais se espelha?

Quem são os brabos da fraternidade?

Pode ser do sub19 ou do principal, tanto faz.

[Kamila] Do Master Mind o Michel Helal, ele interage bastante comigo, gosto muito dele. O Caio Santos me deu um curso de inglês no dia do Master Mind de Porto Alegre. O Rodrigo Azevedo…

[Raiam] Lá de Porto Alegre também, o Rodrigão.

[Kamila] O Homero também.

[Raiam] O Homero fala de você pra caramba, tava com ele esses dias em Salvador.

E no Sub19? Tem alguém que você troca ideia lá?

[Kamila] A Andryelli, eu converso bastante com ela…

[Raiam] Andryelli!

[Kamila] Esses dias…uns três dias antes do lançamento do meu e-book eu conversei quase o dia inteiro com ela, a gente sentou e passamos quase duas horas inteiras…

[Raiam] Nossa! Nossa.

Kamilinha, qual foi aí…põe o top5, eu sei que é difícil de lembrar os livros que você mais gostou, aí nessa caminhada de 232.

Melhores livros que você já leu.

[Kamila] O seu foi um deles, o livro O Pequeno Príncipe, eu costumo falar bastante dele – eu amo esse livro.

O livro extraordinário, eu gosto bastante sobre o que o livro fala, é um livro que dá uma lição de moral em todo mundo.

[Raiam] Matou a cobra e matou o pau, basicamente. Você tá com os livros aí atrás, realmente…

[Kamila] É, o livro O Menino do Pijama Listrado, eu li ele bem no início do Desafio, gosto muito de livros sobre essa temática…

[Raiam] História.

[Kamila] História. Eu estou sempre estudando sobre isso e eu assisti o filme também, foi um dos filmes mais fiéis ao livro que eu já vi, e…

Eu lembro da capa do livro, mas eu não lembro do nome…

Alguns do Sherlock Holmes eu também li bastante durante o Desafio.

[Raiam] Uma coisa que eu acho legal de você, Kamila, é que você…

Eu ia acompanhando o seu Desafio, tinha livro de adulto no meio, não era só livro de menininha, livro infantil não, tinha livro de adulto.

[Kamila] Sim, aqui em casa meu pai costuma comprar de tudo pra gente ler, desde que seja pra nossa idade, mas ele costuma comprar de tudo, porque ele quer que a gente aprenda bastante pra que depois seja mais fácil encontrar emprego e esse tipo de coisa, inclusive ele sabe fazer um pouco de cada profissão.

Então aqui em casa a gente tem livro de empreendedorismo, de finanças, psicologia, gatilhos mentais, livro infantil, de ficção científica, de mistério, suspense…

A gente também costuma escrever bastante, então a gente não tem um só tipo de livro que a gente costuma ler, a gente lê de tudo.

[Raiam] E aí aconteceu um fenômeno contigo que tinha acontecido comigo, de tanto ler livros dos outros, eu fiquei com uma coceira interna pra escrever os meus, e você aos 12 anos escreveu o seu.

Conta um pouco sobre como foi o processo de você escrever seu próprio livro?

Como foi escrever seu próprio livro?

[Kamila] Desde que eu tinha começado a escrever no computador, lá com uns 8 ou 9 anos – que foi quando eu ganhei meu primeiro computador -, que meu pai me apresentou o Word, eu sempre fiquei “eu quero escrever um livro”, e eu começava a escrever histórias e eu não conseguia pensar em só uma direção pra história, então eu escrevia histórias de tudo quanto é tipo e não conseguia terminar nenhuma.

E daí com o Desafio eu fiquei tipo “eu quero escrever um livro contando como foi cada dia, como foi ter o foco pro Desafio, como foi ler tantos livros, ter tanta informação, às vezes eu lia 2 ou 3 livros por dia”.

E daí eu percebi que sempre que me pediam dicas de leitura – benefícios da leitura também – eu falava sempre as mesmas coisas, e daí eu falei “vou escrever separando todos os benefícios da leitura, todas as dicas que eu tenho pra dar, todas as indicações pra começar a ler”, e eu fiz isso.

Nós escrevemos um e-book, e pedimos pra dois seguidores fazerem as capas, inclusive a cada de um dos que ainda não foi lançado foi um desses seguidores que fez…

[Raiam] Ah, você já tem dois livros escritos?

[Kamila] Sim, dois livros escritos, um ainda não foi lançado porque a gente ainda tem que organizar algumas outras coisas.

E ontem eu tava olhando um documentário sobre educação que eu postei nos stories, e daí um dos entrevistados do documentário, ele falou que o Brasil não tem nenhuma obra de literatura que o Brasil seja reconhecido por aquilo, tem outros países que são mais reconhecidos por literatura do que o Brasil, e daí eu pensei “nossa, se eu fizer isso um dia e for considerada uma obra de literatura brasileira vai ser minha realização pra vida”.

[Raiam] Então vou adivinhar que seu sonho é ser escritora e viver disso.

O seu sonho é ser escritora?

[Kamila] Também, mas eu costumo falar que eu quero ter o exemplo de Augusto Cury pra minha vida, porque desde que eu comecei a me envolver com o grupo eu comecei a aprender bastante sobre gatilhos mentais, e eu me fascinei “como é que eu consigo fazer uma pessoa fazer isso só de falar com ela de uma maneira diferente”.

Às vezes parece que é muito estranho fazer aquilo, parece que ela não vai cair no “truque”, mas acontece que ela cai mesmo e isso funciona.

Eu também aprendi um pouco sobre empresas, e quando eu começar a trabalhar eu quero abrir uma empresa onde gerencie psicólogos, principalmente pra área infantil, psicólogos que cuidam de crianças, porque são duas coisas que eu gosto bastante, mas eu não consigo me ver cuidando de crianças.

Porque tem algumas crianças que eu não tenho paciência, mesmo que eu goste muito eu não tenho paciência, mas ser administradora de uma empresa assim seria muito legal e escritora também. Escrever livros sobre psicologia, sobre leitura, sobre administração, sobre o psicológico das pessoas e coisas assim.

[Raiam] Pô, cara. Que profundo, Kamila!

Você, do topo de toda essa experiência, batendo esse recorde, estando em todos os meios de comunicação do Rio Grande do Sul e sendo famosa, quantos seguidores você tem hoje em dia?

[Kamila] 10 mil.

Que conselho você dá pra um jovem?

[Raiam] Bateu 10 mil, 10 mil seguidores com 12 anos de idade, que conselho você pode dar pra um jovem adolescente, não só um jovem da sua idade, o que você aprendeu que você conseguiria passar pra frente, que conselho você pode dar?

[Kamila] Um dos conselhos que  eu costumo dar, que eu dou bastante pra todo mundo, que é quando você tem foco em alguma coisa, você consegue realmente fazer isso. Porque se tu não conseguiu fazer aquilo que tu queria, então tu não queria realmente fazer aquilo.

E outro que eu parei pra pensar esses dias ainda, que é buscar sempre conhecimento, mesmo que tu possa não fazer nada com aquilo, conhecimento nunca é de mais.

[Raiam] Nunca é de mais.

[Kamila] Mas quando tu não tem ele, daí ele faz falta.

Por isso que aqui em casa a gente costuma ler de tudo, porque uma hora a gente vai usar, e se a gente não usa a gente pode ensinar pra outra pessoa que talvez vá usar.

Então os dois conselhos é: continue aprendendo e tenha foco no que você quer fazer.

[Raiam] Tô emocionado, tá?

Só de saber que, pô…você acabou sendo o resultado de um trabalho meu, você leu meu livro quando você tinha 9 anos e aquilo te deu um clique pra começar a buscar conhecimento, e essa é uma das maiores conclusões do livro que você leu “Hackeando Tudo“.

Então eu tô realmente emocionado, não é fake não.

Kamila, vende teu peixe aí, muito obrigado por ter participado, por ter dedicado 20 minutos do seu dia pro seu subcast, agora fala aí de você, vende teu peixe, o que você tem feito aí?

Fala pro pessoal te seguir, comprar teu livro, jogar uns gatilhos mentais pra jogo agora, menina!

[Kamila] Me sigam no meu Instagram (@kamila.w.r), eu posto bastante dica de leitura, posto sobre o que eu estou lendo, quando eu termino de ler algum livro que posto lá também, posto bastante do meu dia a dia nos stories, em breve vou lançar meu curso.

E meu e-book tá na Amazon, se não me engano ainda por R$2,00, que é o preço mínimo que eu consegui colocar ele.

[Raiam] Sobe ele pra dez, agora que a gente vai publicar no subcast, seu valor de mercado vai subir pra caramba, e o pessoal vai comprar a dez sim!

[Kamila] E por 2 ou 10 reais, mesmo assim, tu não compra quase nada, então acho que 10 reais não faz muita diferença pra ninguém, e tem bastante conteúdo legal lá, e tenham certeza de que se tu aplicar o conteúdo que tá lá, tu consegue adquirir o hábito da leitura.

[Raiam] Kamila, sou teu fã, pra mim você é MVP do sub19, você é número 1 daquele grupo inteiro de 800 pessoas, tenho muito orgulho de ter você como mentorada, de ter você com a gente, seu pai é brabo também, senhor Augusto Rabello.

Mas muito obrigado. Pessoal, sigam a Kamila, ela não só é um exemplo para a juventude, mas para o Brasil, e como a gente sempre diz: tamo junto e é só o começo.

[Kamila] Tamo junto, muito obrigada.

[Raiam] Bom, rapaziada, esse foi o subcast com a Kamila Rabello, a menina que leu 232 livros em um ano, se você tá interessado em entrar na nossa fraternidade assiste esse vídeo e responde o formulário que tá na descrição (esse vídeo aqui), e acompanhem o subcast.

Tamo junto e é só o começo.

Kobe Blog