Browse By

Como Usar Os Arquétipos em sua Marca

Koé, irmão, tá tudo certo por aí? Seguinte, hoje eu trouxe um papo muito bacana pra você que tá querendo ter outra mentalidade e agregar valor ao seu negócio: vou te ensinar como usar os arquétipos.

Nunca ouviu falar essa palavra? Fica suave, irmão, não é um termo muito conhecido mesmo. Mas a parada é que, mesmo que desconhecido, é um bagulho MUITO foda e que vai revolucionar sua forma de ver sua empresa.

Aposto que você já sabe o que é ter uma identidade pro seu negócio, né? A Marca.

Se você quer ser pica no seu ramo de atuação, saiba que ter uma marca com personalidade passa muita credibilidade.

E, vem cá, que maluco não quer comprar ou se relacionar com uma marca que tenha uma personalidade dahora? Pois é, cara, isso aí tá relacionado com o arquétipo. Bora parar de preguiça e vem entender essa resenha!

Antes de saber como usar os arquétipos: o que eles são

Irmão, não adianta ir com sede ao pote. Antes de saber como usar os arquétipos você precisa entender o que é essa parada no final das contas.

Isso começou na Grécia Antiga (Negão é cultura também, rapaziada) e a palavra deriva de archein (original) e typos (padrão). Então, arquétipo é um bagulho que pode ser dito como Padrão Original.

Não entendeu nada ainda, né? Beleza, é o seguinte: um filósofo chamado Carl Jung estudou uma parada chamada Inconsciente Coletivo. Isso tá relacionado às imagens e questões sensoriais que são comuns aos seres humanos.

Então, quando você desenvolve uma marca baseada nessas características comuns, muita galera vai se identificar e se atrair por ela, sacou?

É um bagulho foda, muito relacionado com o neuromarketing (estratégias de marketing elaboradas de acordo com os impulsos do nosso cérebro. Brabo, né?).

“E o que que eu tenho a ver com isso, Negão?”. Irmão, quando você usa esse tipo de recurso para construir a sua marca os resultados são de alta perfomance. Quer ser o pica da sua área? Aprenda como usar os arquétipos.

As pesquisas mostram que as compras realizadas são baseadas no repertório e experiências que as pessoas têm, manja? É como se você estivesse apelando pro lado emocional.

O Jung separou os arquétipos em 12:

  • Inocente: respeita as diferenças e deseja que o mundo seja um lugar melhor. Não costuma ver maldade os irmãos
  • Explorador: em busca de uma aventura braba e ama liberdade
  • Sábio: valorizam conhecimento e tecnologia
  • Herói: com força de vontade é possível alcançar qualquer parada
  • Fora da lei: os malucos rebeldes que não se rendem ao sistema
  • Mago: são parecidos com os sábios, mas tem uma pegada mais mística, tá ligado?
  • Cara comum: padrãozão, não tem grandes diferenciais
  • Bobo da corte: precisa bem explicar muita coisa, né irmão? É um arquétipo engraçado e cômico
  • Amante: muita luxúria, paixão e gente bonita
  • Criador: tem muita parada relacionada à inovação e criatividade
  • Governante: são brabos! Tem poder e controle sobre as situações
  • Prestativo: gosta de ajudar os parceiros

Como usar os arquétipos na sua marca?

Então a parada é a seguinte: existem 12 tipos de arquétipos que a sua marca pode se relacionar. Precisa ser um só? Não, mano, você pode apostar em duas coisas ou mais.

A Nike, por exemplo, é uma marca que investe no Herói e no Explorador, sacou?

O que que é importante nisso tudo? Irmão, a primeira coisa que você tem que fazer é explorar o seu produto, entendeu? Veja qual abordagem seria mais interessante para desenvolver a sua marca.

Vamos supor aqui que você vende treinamentos online. Como usar os arquétipos para sua marca? Pensa um pouco e antes de ler a resposta tente responder qual dos 12 tipos seria mais interessante.

O Criador e Sábio são boas alternativas, entendeu?

Pense no seu público-alvo

Galera, vou mandar a real e guarde isso pro resto da sua vida: o mais importante é o seu público-alvo.

Mano, tudo o que você fizer pensando na produtividade e alta perfomance do seu negócio deve ser pensando no seu público.

Supondo que você bole uma puta estratégia de marketing sensacional, mas ela não atenda os interesses da sua persona. Me dizer, pra que caralho serve essa propaganda? Nada, irmão!

Então o segredo para o sucesso é esse: sempre pense no seu público-alvo antes de traçar qualquer estratégia de marketing.

Você tá dando pra eles o que realmente querem? As suas estratégias irão chamar a atenção para aumentar as vendas?

Então, para saber como usar os arquétipos eu terei que bater na porra da mesma tecla: público-alvo.

Que tipo de arquétipos você acha que seria uma boa combinação para combinar com seu produto e com a personalidade do seu público?

Entendeu qual é a pegada? Se você conseguir elaborar uma identidade dahora o público irá olhar para sua marca com outros olhos e é aí que é o pulo do gato!

Coloca uma coisa na tua cabeça, irmão, quando uma marca tem uma identidade forte ela não somente te oferece um produto, ela te oferece uma experiência.

Por que você acha que a rapaziada gasta a maior grana num café coado do Starbucks sendo que pode comprar um igual no boteco da esquina e pagar um conto?

Porque o Starbucks proporciona experiências. O boteco tem sua beleza, mas você não vai pagar 10 reais em um copo de café lá nem fodendo. Sacou o rolê?

Sua marca deve contar uma história

Todo mundo tem a sua história. E ela não necessariamente precisa ser emocionante ou cheia de acontecimentos para ser interessante, ela só precisa ser bem contada, meu irmão.

Para saber como usar os arquétipos, entenda que a sua marca deve ter uma história. Ela deve ser cativante e inspirar sentimento nas pessoas, camarada.

Eu não to te dizendo que vai ser fácil desenvolver toda essa parada. Mas é uma coisa que você tem que trabalhar, mano.

Deixa de preguiça, bata boca com pessoas que se encaixam no público-alvo e troque ideias de experiências e expectativas.

Amadurecendo a ideia você vai entender melhor como usar o arquétipos para impulsionar a sua marca. Ah, mais uma parada importante: sempre veja qual é a reação do público e vá aprimorando seu corre.