Mundo Raiam
Olimpíadas do Dinheiro

A Economia da Noruega: Olimpíadas do Dinheiro 04

23/05/2016
noruega olimpíadas do dinheiro economia macroeconomia

8fiverr


Olimpíadas do Dinheiro

A ideia da série Olimpíadas do Dinheiro é explicar macroeconomia pro povão com aquele papo reto e direto que eu sempre mando aqui no blog MundoRaiam.

Enquanto a mídia fala daquele atleta russo que é favorito a ganhar a medalha de ouro nas barras paralelas assimétricas, por que não ir contra a maré e falar como a produção de gás natural da Rússia afeta nós consumidores aqui no Brasil.

Já tivemos episódios sobre a Índia, o México e a Indonésia.

A bola da vez é a Noruega.

 



Capítulo 3: A Economia da Noruega

erlina

Eu geralmente começo os artigos da Olimpíada do Dinheiro com uma história pessoal.

Afinal, o mundo tem mais de 200 países…

Deve ter uma razão especial que eu escolhi começar a série com México, Índia, Indonésia e agora Noruega, né?

No meu último emprego antes de abrir empresa e virar escritor full-time, eu trabalhava como analista financeiro no fundo de investimento do bilionário norueguês Erling Lorentzen.

Erling é um velhinho gente-boa de 90 e poucos anos que meteu o pé da Europa nos anos 1940 buscando empreender no Novo Mundo.

Na real, a Europa tava toda quebrada naquela época do pós-guerra então as oportunidades estavam todas do lado de cá do Oceano Atlântico.

O jovem Erling chegou no Brasil e literalmente tocou o terror. Vou te dar três empresas que têm o DNA do cara aí:

SuperGasBrás (gigante do gás de cozinha)

Norsul (uma das maiores companhias de navegação do Brasil)

Aracruz/Fibria (#1 do mundo em papel e celulose).

Não preciso nem trazer à tona o número de empregos que o Erling gerou por aqui ao longo dos anos né?!

O Olimpíadas do Dinheiro de hoje vai mapear como é que o país dele ganha (e gasta) seu dinheiro.

 


código desconto airbnb cupom


Daqui pro mundo

norway

A economia da Noruega tem muito a ver com a mentalidade do jovem Erling Lorentzen nos anos 1940: não tem oportunidade aqui, vamos pro mundo.

Mas calma aí, Raiam… como é que não tem oportunidade na Noruega se eles são um dos países mais ricos do mundo?

Para você ter uma ideia, a Noruega inteira tem menos gente do que a cidade de Belo Horizonte.

São 5 milhões de pessoas só, cara!

Posso te garantir que não dá pra ficar rico produzindo coisa pra 5 milhões de pessoas.

Lembra daquele artigo Startup Nation: Por que Israel é o país mais top do mundo (e eu não sou judeu) que eu falei sobre a necessidade do país de inovar e focar em exportação exatamente pela falta de um mercado consumidor dentro de suas fronteiras?

A Noruega é campeã do mundo nisso aí.

Desde os primórdios, eles sabiam que não conseguiriam se dar bem se pensassem só em si mesmos.

Dos navegadores vikings aos perfuradores de poços de petróleo do Mar do Norte, a cabeça do norueguês sempre foi voltada aos mercados mundiais!

Se você parar pra pensar, tudo que é feito em terras norueguesas é “tipo-exportação”.

Vou te dar um simples exemplo que resume muito bem essa visão de mundo do povo norueguês: os noruegueses falam inglês perfeito… sem sotaque e sem erros de pronúncia.

É impressionante, cara. Você fecha o olho e parece que está falando com um americano.

Isso porque o governo sabe que o povo não vai chegar a lugar nenhum se eles focarem só no idioma local (uma língua praticamente morta falada por meia dúzia de pessoas no nível macro) e investe na educação bilíngüe desde o berço.

 


 



Será que todo mundo é rico?

richnorway

No último artigo das Olimpíadas do Dinheiro, falei sobre PIB per Capita e chamei o povo da Indonésia de “relativamente rico”

O uso do advérbio “relativamente” veio porque eu comparei o PIB per Capita da Indonésia com o dos vizinhos do sudeste asiático como Filipinas, Bangladesh e Vietnã.

Agora segura essa estatística aqui: o norueguês mediano coloca no bolso 65mil dólares por ano!

Deixa eu converter aqui: você trabalharia de lixeiro pra ganhar 19mil reais por mês?

Na real, esse número aí acaba sendo meio utópico.

Primeiro que o PIB per Capita é apenas uma conta de dividir: PIB do país divido pelo número de habitantes.

A Noruega tem PIB de país grande (numerador alto) e população de país pequeno (denominador baixo).

Pega a lista dos países com maior PIB per Capita no mundo e você só vai ver micro-país na lista.

Dos 20 primeiros países do ranking, só Estados Unidos e Alemanha têm populações maiores que o estado de São Paulo.

Segundo que o noruguês paga uma das mais altas taxas de imposto de renda no mundo.

Enquanto o rico brasileiro paga 27,5%, o rico norueguês em alguns casos paga 78%.

Conclusão: entra muito menos do que 65mil dólares no bolso do norueguês.

Tudo bem que os caras têm praticamente tudo de mão beijada mas experimenta trabalhar o mês inteiro e ficar só com 1/4 com a grana que você ganha…

 

 

 



Sai pra lá, Zona do Euro

norway

A Noruega é um dos poucos países da Europa Ocidental que não fazem parte da Zona do Euro.

Sim, a moeda de lá até hoje é a krona.

Ué? Mas qual é a vantagem de ficar de fora?

Bom, primeiro que o governo pode subir e baixar juros livremente sem precisar virar a bunda para a Alemanha (ou você não sabe quem manda na Europa hoje em dia?).

Junto com isso, vem a liberdade para intervir no câmbio no caso de alguma emergência que afete as exportações do país (tipo um choque no petróleo ou um problema com a pesca do salmão).

Na real, a Noruega tá muito bem posicionada com a União Europeia… é pra lá que vai 80% das exportações do país.

Vou pegar o exemplo do salmão para ilustrar o caminho de mão-única que beneficia a Noruega nesse caso.

Ela vende o salmãozinho dela com zero de imposto… como se ela fosse um membro ativo da Zona do Euro.

E, ao mesmo tempo, ela coloca imposto nas importações de comida da Zona do Euro para proteger o agricultor local.

Se a Noruega realmente entrasse na Zona do Euro, isso iria abrir caminho para uma enxurrada de produtos agrícolas da Europa do Sul chegando no porto de Oslo com imposto zero.

Aí ferrou pro camponêszinho da Noruega que só produz quando o tempo esquenta, né?!

O cara é tão improdutivo que recebe 58% da sua receita em forma de mesadinha do governo do governo norueguês.

Aí é fácil, né?!

Trabalhar 3 meses por ano e ganhar grana automática do governo… parece até um país que eu conheço.

 

 



Arbitragem Geográfica

weden

Essa proteção ao agricultor local gera um custo a mais para o cidadão norueguês.

Como nego não é bobo, eles praticam arbitragem geográfica.

Escrevi um post inteiro sobre esse conceito e altamente recomendo que você leia quando tiver um tempinho: Larguei o emprego e montei uma multinacional com gente em 15 países.

Lá eu mostro como eu utilizo a arbitragem geográfica para diminuir os custos da minha empresa.

Por tabela, eu consigo mudar a vida de jovens no Bangladesh, na Índia e nas Filipinas que trabalham comigo remotamente ganhando uma grana dolarizada que eles nunca ganhariam se trabalhassem em empregos normais em seus respectivos países.

Os noruegueses também praticam arbitragem geográfica mas o caso deles é muito mais parecido com aquele que eu descrevi no post sobre minha viagem até a Suíça.

Em ambos países, os locais cruzam a fronteira para fazer as compras do mês no país vizinho.

Os suíços usam a França para comprar verduras, queijos e carnes a um preço muito mais barato.

Os noruegueses fazem o mesmo com a Suécia.

A Suécia é membro da União Europeia e recebe aquela enxurrada de produtos agrícolas a imposto-zero que eu falei ali em cima.

Como eu falei ali em cima, os produtos agrícolas da Noruega são bem menos competitivos e custam mais para serem produzidos. Quem fica com essa pica é o consumidor.

O que os espertinhos de Oslo fazem?

Dirigem uma horinha, passam na Suécia, compram as paradas e voltam pra casa.

 

 



O país do carro elétrico

electric

Hoje em dia, a penetração de carros elétricos não passa de 1% dos emplacamentos… mesmo nos países desenvolvidos.

Como assim, Raiam?

A cada 100 carros emplacados, apenas 1 deles é elétrico. Carro elétrico é caro né, jovem?

A Noruega é um outlier nisso aí.

E muito disso tem a ver com a promessa do governo de reduzir as emissões de CO2 em 40% nos próximos 15 anos.

Dedo-verde que só ele e cheio do dinheiro pra gastar, o governo norueguês baixou um mega subsídio para carros elétricos.

Subsídio tão cabuloso que os carros elétricos custam praticamente o mesmo do que carros movidos à gasolina.

Depois procura o preço de um TESLA nos Estados Unidos para você ter uma ideia que na “vida real” não funciona bem assim.

Resultado? 23% dos novos emplacamentos da Noruega são de carros elétricos.

O meio-ambiente agradece.

E o Elon Musk também.

 

 



Fundo Soberano

vikingmoney

A Noruega tem uma parada chamada The Government Pension Fund Global.

Lembra daquele capítulo do meu terceiro livro Wall Street: O Livro Proibido que eu contei que os maiores clientes que investiam no Brasil naquela época eram os fundos soberanos e a gente tinha que puxar o saco deles de tudo quanto era jeito?

Bom, The Government Pension Fund of Norway é o nome-chique para fundo soberano da Noruega.

Na real, esse é um dos maiores fundos de investimento do mundo. Muito maior que os Fidelity, PIMCO, Blackrock e Verde Asset da vida.

Ele basicamente acumula a grana gerada pela indústria petrolífera da Noruega e investe aquilo ali mundo afora.

Pra quê?

Ué, eles concluíram que a economia norueguesa era altamente dependente do setor petrolífero.

Se eles pegassem aquela grana e reinvestissem no petróleo, o país ficaria cada vez mais vulnerável às oscilações do preço da commodity mundo afora.

Para não ficar dependendo da boa vontade dos manos lá da OPEP no Oriente Médio, os noruegueses criaram esse fundo aí pra diversificar os investimentos pra longe do petróleo.

Eles literalmente saem comprando tudo ao redor do mundo: são 9 mil companhias investidas em 75 países ao redor do mundo… de prédios comerciais na área nobre de Londres a fazendas na Argentina, passando por empresas de mineração na Austrália.

Se você manja do inglês, dá uma olhada nesse artigo do Financial Times sobre o poder que esse fundo soberano da Noruega tem.

 

 



Socialismo de primeiro mundo

socialista

Essa história aí do fundo soberano me deixou intrigado.

Cara, eu fui educado nos Estados Unidos e lá basicamente tudo é privatizado.

Nunca que eu iria encontrar um fundo de investimento tocado pelo próprio governo.

Fundo de investimento é Wall Street, né?! Wall Street é capitalismo… quanto menos governo, melhor pros mercados.

Fui fuçar um pouco mais sobre as principais empresas norueguesas e cheguei a seguinte conclusão: a Noruega é basicamente um país socialista.

Vamo lá. Pensou Noruega, pensou petróleo… pensou Statoil.

Statoil é controlada pelo governo.

A maior geradora de energia elétrica do país é a Statkraft.

Statkraft também é controlada pelo governo.

Trabalhei um tempo com fusões e aquisições de empresas de mineração. Um dos maiores players do mundo quando o assunto é alumínio é uma grande empresa norueguesa chamada Norsk Hydro.

Norsk Hydro é do estado também.

Agora segura essa estatística aí: o governo norueguês controla 32% das empresas listadas na bolsa de valores de Oslo.

Fora a altíssima influência do estado na economia, qual é o outro ponto principal do socialismo?

Boom! A sociedade igualitária!

Tem uma métrica chamada Coeficiente Gini que mede a desigualdade de renda dos países. Quanto mais bem-distribuída a renda dos habitantes, mais alto o país vai estar no ranking do Coeficiente Gini.

Adivinha quem tá no topo dessa lista aí?

Bingo!

Agora responde lá nos comentários… será que a Noruega é um caso de socialismo que deu certo?!?!

(Se você gosta dessas tretas, dá uma olhada no artigo mais lido da história desse blog: Não Contrate Um Comunista).

 

 



Refugiados e mais refugiados

refugiados

Uma característica que os países nórdicos têm em comum é que eles são pouco heterogêneos.

Dá um rolé pelas grandes cidades da França, da Espanha, da Alemanha e da Inglaterra e você vai ver gente de todas as raças e cores.

O resultado das ondas de imigração dos anos 1970 e 1980 é bem visível hoje em dia, especialmente em época de Copa do Mundo.

Compara a composição étnica da Seleção Alemã que foi campeã em 2014 com a Seleção Alemã de 1974.

Nunca que você ia ver um negão como o Boateng ou gente com background muçulmano como Khedira, Mustafi e Ozil vestindo a camisa da Seleção.

E não é por preconceito não… é porque não tinha mesmo!

Parece que a Noruega tá passando por um fenômeno parecido com aquele que seus vizinhos da Zona do Euro… só que 40 anos mais tarde.

Entrou muito muçulmano no país nos últimos anos, muitos deles refugiados da Guerra Civil na Síria.

Já que o governo norueguês é bem assistencialista, o orçamento vai apertar com mais gente para receber ajuda do papai-governo.

Qual a solução?

Hoje a Noruega tá pagando 840 euros para cada refugiado que meter o pé do país.

Para o governo, isso acaba sendo muito mais barato do que mantê-los nos centros de imigração espalhados pelo país.

Aposto contigo que pouca gente vai sair por essa micharia…

E vou mais além: pode anotar que a Seleção Norueguesa na Copa de 2034 vai ter um monte de Mohammed, Mahmoud e Ibrahim no álbum.




Olimpíadas do Dinheiro

Semana que vem, a bola da vez vai ser a África do Sul!

Enquanto o negócio não sai, dá uma olhada nos últimos capítulos da série:

Olimpíadas do Dinheiro 01 : Índia
Olimpíadas do Dinheiro 02: México
Olimpíadas do Dinheiro 03: Indonésia

Curtiu a Olimpíada do Dinheiro?

Que tal dar uma olhada nos meus livros Hackeando Tudo (best-seller em auto-ajuda), Wall Street (best-seller em negócios e biografias) e Turismo Ousadia (best-seller em Turismo).

Os três estão disponíveis em formato ebook no Amazon e em formato audiobook no Ubook! Aproveita e pega 1 mês grátis para experimentar o serviço e começar a escutar livros no smartphone.

 

You Might Also Like

Receba os novos posts do Mundo Raiam por e-mail. Insira seus dados ao lado:
x